Implantar um aplicativo no Google Play

implantar um aplicativo no Google Play: 16 passos para o sucesso

Depois de projetar, modelar, codificar e testar seu aplicativo Android chegou o grande momento de publicá-lo para a comunidade em geral. E nada mais natural do que disponibilizá-lo na maior rede de aplicativos Android que existe: o Google Play. Assim, vamos implantar um aplicativo no Google Play!

Para isso, alguns requisitos são necessários. Não basta apenas pegar o arquivo apk e submetê-lo para publicação. Muitos acabam não inserindo as informações de maneira correta, o que acaba impactando negativamente a quantidade de downloads de seu aplicativo e suas avaliações.

Assim, para tirar todas as dúvidas, a Techjambo elaborou um tutorial sobre como implantar um aplicativo no Google Play corretamente. São 16 passos que deveremos seguir, acompanhados por imagem para facilitar o entendimento.

1. Acessar o console de desenvolvedor do Google
Para começarmos a publicar o aplicativo, precisamos acessar o console de desenvolvedor google. É sempre bom lembrar que, para isso, é necessário ter uma conta de desenvolvedor. O valor a ser pago é de U$$25,00, que é pago apenas uma vez. Ao entrar na tela inicial do console, devermos clicar no botão “Adicionar novo app”, que fica localizado no canto superior direito.

implantar um aplicativo no Google Play: Adicionar novo app

Adicionar novo app

2. Em seguida, deveremos informar o título do aplicativo e o idioma padrão. Após a inclusão dos dados, selecionaremos a opção “Enviar APK”.

implantar um aplicativo no Google Play: Enviar APK

Enviar APK

3. Uma tela com o painel geral do aplicativo é exibida. Do lado esquerdo aparecem várias seções agrupadas por tipo de informação que o desenvolvedor deverá inserir obrigatoriamente: “APK”, “Detalhes do app”, “Classificação do conteúdo” e “Preço e distribuição”.

4. A primeira categoria é relativa ao APK. Nela, deveremos fazer o upload do aplicativo. Assim, deveremos clicar em “Enviar primeiro APK para produção”.

Implantar um aplicativo no Google Play: Enviar primeiro APK para produção

Enviar primeiro APK para produção

5.  O console exibirá uma janela para selecionar o app no computador local.

Implantar um aplicativo no Google Play: Procurar arquivos

Procurar arquivos

6. Após subir o apk, o console do google fará um resumo sobre os dispositivos que são disponíveis com seu aplicativo, os dispositivos excluídos e a versão atual.

Implantar um aplicativo no Google Play: Resumo dispositivos compatíveis

Resumo dispositivos compatíveis

7. Agora iremos para a categoria “Detalhes do app”. Nela deverão ser preenchidos o título que ficará exibido no dispositivo, uma breve descrição e uma descrição completa do aplicativo. É possível inserir essas informações em vários idiomas.  Muita atenção ao preencher esses campos, pois eles serão utilizados para futuras pesquisas e em mecanismos de busca, como o google. Procure utilizar palavras que se adaptem bem ao propósito do aplicativo.

Implantar um aplicativo no Google Play: Detalhes do app

Detalhes do app

8. A seguir vem a descrição visual do aplicativo, onde deveremos subir algumas capturas de tela(pelo menos 3). Também é necessário informar duas imagens com as seguintes resoluções:uma de 512 x 512  e outra de 1024 x 500.

Implantar um aplicativo no Google Play: Detalhes visuais do app

Detalhes visuais do app

9. Nesse passo, definiremos qual o tipo, categoria e classificação do aplicativo. Também deveremos informar o e-mail para contato e marcar a política de privacidade.

Implantar um aplicativo no Google Play: Categorização do app

Categorização do app

10. Na seção “Classificação do conteúdo”, deveremos responder algumas perguntas para sabermos em que classificação de conteúdo nosso aplicativo está inserido. Clique na botão “Continuar” para começarmos a análise.

Implantar um aplicativo no Google Play: Classificação do conteúdo

Classificação do conteúdo

11. Selecione a categoria do app.

Implantar um aplicativo no Google Play: Categoria do app

Categoria do app

12. Responda as perguntas relativas às informações que o aplicativo manipula.

Implantar um aplicativo no Google Play: Questionário de classificação do conteúdo

Questionário de classificação do conteúdo

13. Será calculada a classificação de conteúdo.

Implantar um aplicativo no Google Play: Classificação final do conteúdo

Classificação final do conteúdo

14. Em “Preço e distribuição” informaremos onde o aplicativo poderá ser distribuído. Você pode escolher um ou mais países, um ou mais continentes ou todos os países do globo. Também selecionaremos se ele será um aplicativo gratuito ou pago. Caso seja pago, será necessário preencher o valor. Atenção, caso seja marcado como gratuito, ele não poderá se tornar pago.

Implantar um aplicativo no Google Play: Preço e distribuição do app

Preço e distribuição do app

15. Deveremos informar também se o app tem anúncios.

Implantar um aplicativo no Google Play: Exibição de anúncios

Exibição de anúncios

16. Finalmente, com todas as informações obrigatórias preenchidas, chegou o momento de publicarmos o aplicativo. O console do google habilitará o botão “Publicar app”, localizado no canto superior direito, quando todas as informações necessárias estiverem devidamente preenchidas. Nas seções que estão com os dados completos, é exibido um marcador verde do lado esquerdo do nome da seção. Em seguida, clicaremos em “Publicar app” e pronto. Está feito. Deveremos agora esperar algumas horas até seu aplicativo ficar disponível no Google Play.

Implantar um aplicativo no Google Play: Finalizar publicação

Finalizar publicação

Como podemos perceber, implantar um aplicativo no google play requer o preenchimento de uma série de informações. Se por um lado isso pode ser um pouco trabalhoso, por outro mostra um maior profissionalismo e zelo por parte do desenvolvedor. Com isso, seus futuros clientes saberão que os app’s desenvolvidos por você ou por sua empresa possuem qualidade e comprometimento com seu público.

Ícones Android: 4 dicas para configurar corretamente seu app

Ícones para aplicativos android: aprenda a configurar corretamente

Ícones são importantes. Essa é a primeira ideia que se deve ter em mente. Para criar um aplicativo de sucesso em Android, é necessário alguns requisitos. Primeiro, é claro, possuir uma boa ideia que atenda a necessidade de um grupo de pessoas.
Outra requisito diz respeito ao aspecto visual. Para instalar um aplicativo, muitos usuários levam em consideração o aspecto estético.
Ou seja, mesmo que o seu aplicativo seja bom e estável, ele correrá o risco de não ter tanto sucesso devido à sua aparência.

A porta de entrada de um aplicativo são seus ícones. É ele que passa a primeira impressão de uma aplicação. Se o ícone for bem feito, certamente transmitirá a imagem de um aplicativo estável e profissional.

Para ajudar a configurar corretamente sua aplicação a usar os ícones, serão apresentadas a seguir 4 dicas que você precisa saber para configurar corretamente o ícone de seu aplicativo Android:

Dica 1. Elabore um ícone que seja relacionado ao contexto do aplicativo
Os ícones devem possibilitar uma relação imediata com o que o aplicativo vai fazer.

Dica 2. Os ícones devem ser “limpos”, ou seja, não podem ser poluídos graficamente.
Existem muitos ícones que são um verdadeiro amontoado de informações. Isso dificulta o reconhecimento e dá um aspecto pouco profissional.

Dica 3. Projete os ícones para suportar as diferentes resoluções de telas
Como o Android pode ser utilizado nos mais variados dispositivos, é necessário projetar seu ícone para não ficar com a resolução errada.
Assim, telas com baixa resolução devem ter ícones diferentes de telas com alta resolução. Para isso, a seguinte escala deve ser utilizada para as diversas resoluções:

36×36 para baixa resolução (low-density)
48×48 para média resolução (medium-density)
72×72 para alta resolução (high-density)
96×96 para extra alta resolução (extra-high-density)
180×180 para extra extra alta resolução (extra-extra-high-density)

Dica 4. Incluir os ícones nas pastas corretas
Para o Android reconhecer e configurar automaticamente os ícones de acordo com a resolução, eles devem ser inseridos nas pastas corretas.

Para baixa resolução(36×36): pasta drawable-ldpi.
Para média resolução(48×48): pasta drawable-mdpi.
Para alta resolução(72×72): pasta drawable-hdpi.
Para extra alta resolução(96×96): pasta drawable-xhdpi.
Para extra extra alta resolução(180×180): pasta drawable-xxhdpi.

Existem muitas outras dicas para elaboração de ícones e padrão visual de aplicativos Android. Porém, as que foram apresentadas anteriormente são essenciais para publicação de um aplicativo profissional.
No portal de desenvolvedores existem diversas informações que ajudarão você a se especializar nas orientações que o google fornece para padronização visual.

Internet das Coisas: 4 perguntas sobre IoT

Internet das Coisas: IoT

Com a velocidade da comunicação, periodicamente surgem temas na área de tecnologia que ficam em evidência e despertam muita atenção aos mais curiosos.
Computação em nuvem, celulares com telas dobráveis e drones são alguns conceitos que estavam em evidência há bem pouco tempo e ganharam muitas manchetes nos jornais mais especializados.
Hoje em dia o “conceito da moda” é a IoT ou Internet das Coisas.
Com a finalidade de elucidar algumas dúvidas das pessoas mais leigas, a equipe Techjambo elaborou 4 perguntas com respostas sobre esse tema tão interessante:

Pergunta 1. O que é Internet das Coisas ou IoT?
A ideia central da IoT é estabelecer uma identificação para os diversos objetos que utilizamos do nosso dia a dia e procurar alguma maneira de interagir com eles e entre eles.
Se antes conseguíamos nos comunicar e obter respostas de computadores, smartphones e videogames, com a IoT esse conceito se amplia. Hoje em dia é até comum encontrarmos casas inteligentes, relógios com internet e muitas outras coisas que podemos interagir.

Pergunta 2. De onde surgiu esse termo?
Surgiu de Kevin Ashton, um dos colaboradores do MIT(Massachusetts Institute of Technology) já no ano de 1999, quando pensou no termo Internet das Coisas e depois(em 2009) consolidou o termo em seu artigo “A Coisa da Internet das Coisas”.

Pergunta 3. Já existem objetos com esse tipo de tecnologia?
Sim. Dentre os objetos e/ou coisas podemos destacar:
1. Fechaduras que se abrem mediante um comando pelo celular.
2. Casas que são configuradas de acordo com os comandos de seus donos.
3. Carros que se autoconfiguram de acordo com as condições da pista.
4. Relógios com interatividade.
5. Óculos com interatividade.

Pergunta 4. Quais outras áreas podem se beneficiar com a Internet das Coisas?
O campo de atuação é gigantesco. Praticamente todos os setores podem se beneficiar com a IoT.
A área de saúde é uma das que se mais beneficiarão com o avanço dessa tecnologia. Por exemplo com as informações de exames, testes e
procedimentos cirúrgicos todos integrados, o diagnóstico será muito mais eficiente e preciso.
No setor agrário, podemos adaptar os centros de irrigação, drenagem, tipos de solo e fertilizantes para interagirem e preparar o ambiente de acordo com a necessidade de nutrientes.

como vimos, a Internet das Coisas é um campo relativamente novo mas que possui grandes expectativas pela comunidade.
A evolução nos últimos anos é notória e, dentro de pouco tempo, não será surpresa se a maioria dos objetos que tivermos em nossas casas estiverem conectados.